6º Simpósio Nacional de Biocombustíveis
Realizado em Canoas/RS, de 24 a 26 de Abril de 2013.
ISBN: 978-85-85905-03-3

TÍTULO: Glicerina: uma visão geral sobre produção e métodos de purificação

AUTORES: Vendruscolo, T.P.S. (IFMT - CAMPUS CÁCERES) ; Santos, M.C. (IFMT - CAMPUS CÁCERES) ; Nascimento, J.C. (IFMT - CAMPUS CÁCERES) ; Costa, T.M. (IFMT - CAMPUS CÁCERES) ; Santos, C.C.A. (IFMT - CAMPUS CÁCERES)

RESUMO: Em virtude do aumento na produção e comercialização de biodiesel, um excedente de glicerina vem sendo lançado no mercado. Estima-se em geral que 10 % em massa do produto de transesterificação são representados pela glicerina residual, a qual necessita de um tratamento para alcançar o valor comercial desejado. Nesse contexto, a busca por métodos alternativos de tratamento de glicerina gerada no processo de obtenção do biodiesel é de extrema importância, para que ela não se torne um problema ambiental e econômico na cadeia de produção deste biocombustível.

PALAVRAS CHAVES: Biodiesel; Glicerol; Métodos de purificação

INTRODUÇÃO: Ao longo da história da humanidade ficou comprovado que a utilização da energia foi primordial para o desenvolvimento da sociedade. Dessa forma, o aumento do consumo de energia e a busca por fontes alternativas para o futuro são preocupações do mundo atual e refletem a imensa dependência do ser humano por energia (SILVA, 2010). O aumento na produção nacional de biodiesel levou a geração de grandes excedentes de glicerina, em geral 10 % em massa do produto de transesterificação são representados pela glicerina residual, a qual apresenta diversas impurezas como: água, sais inorgânicos, restos de catalisador, álcool e material orgânico não glicerol, o que lhe confere baixo valor comercial (PINTO, 2005). Nesse sentido, é importante destacar a necessidade da realização de estudos para definir possíveis aplicações para a glicerina, advindo do processo de produção de biodiesel. Esse excedente deve ser visto como uma oportunidade estratégica e energética, agregando valor na cadeia de produção do biodiesel (APOLINÁRIO et. al., 2012). A necessidade de se realizar um tratamento na glicerina é para que ela não se torne um problema ambiental e econômico. Atualmente existem alguns tipos de tratamento de glicerina residual já em uso em escala industrial, no entanto, ainda é comum fazer a utilização da mesma na queima em caldeiras para geração de energia, porém a liberação de compostos tóxicos como a acroleína (substância potencialmente carcinogênica) durante a queima é um dos problemas que inviabilizam o seu processo do ponto de vista ambiental (MARÇON, 2010). Nesse contexto, este trabalho tem por objetivo fazer uma breve revisão, sobre os tipos tratamentos dados a glicerina residual obtida do biodiesel pelo processo de transesterificação de óleos e gorduras.

MATERIAL E MÉTODOS: Esta breve revisão bibliográfica sobre métodos de purificação de glicerina foi feito a partir da procura online em revistas e sites como (SCIELO) de artigos e dissertações na área de interesse.

RESULTADOS E DISCUSSÃO: O aumento na produção de biodiesel no Brasil vem acarretando na inundação de glicerina no mercado nacional e internacional. Segundo Vasconcelos (20012), no ano de 2011 foram gerados mais de 260 mil toneladas de glicerina residual. De acordo com Larsen (2009), a utilização da glicerina é muito ampla, podendo ser empregada em diferentes setores industriais (indústria de cosméticos, farmacêutica, alimentícia, resinas e etc.). Entretanto, para que a glicerina possa ter essa gama de aplicações, é necessário que se faça uma purificação, a fim de fazer a retirada de impurezas oriundas do processo de produção de biodiesel. Atualmente, as técnicas mais conhecidas e utilizadas para a purificação de glicerina consistem em dois métodos: - Método convencional: consistem nas etapas de acidificação, neutralização, evaporação e refino por destilação. Neste processo, é possível obter glicerina com um grau de pureza de 88%. No entanto, esse método tem por desvantagem o grande consumo energético, alto consumo de água, perdas de tempos e preços onerosos (ÁVILA et al., 2006). - Método de Troca Iônica: consiste na passagem da glicerina já pré-purificada por leitos contento resinas para a eliminação de cor, odor, traços de ácidos graxos e outras impurezas, ao final do processo é possível obter um produto com pureza maior de 99%. Este método de purificação de glicerina vem ganhando grande aceitação em função da simplicidade de operação e menor consumo energético em relação ao método convencional (OPPE et al., 2008). Nesse contexto, é visto que há uma necessidade de investigação técnico- cientifica na busca de novos métodos de purificação de glicerina, sendo estas mais viáveis e que apresentem alta eficácia na remoção de impurezas.

CONCLUSÕES: A abordagem do tema proposto traz uma breve discussão sobre glicerina e métodos de purificação existentes no mercado nos dias atuais. Pode-se concluir que ainda são poucos os métodos existentes de purificação e que esses apresentam algumas desvantagens quanto ao grande consumo energético e preços onerosos, podendo ser foco de estudos futuros. È importante ressaltar que, a utilização comercial da glicerina é condicionada ao seu grau de pureza, dessa forma é essencial que novas rotas de purificação, bem como o desenvolvimento de tecnologias mais baratas e eficientes sejam desenvolvidas.

AGRADECIMENTOS: Os autores agradecem ao Instituto Federal de educação, Ciência e Tecnologia campus- Cáceres.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA: APOLINÁRIO, F. D. B.; PEREIRA, G. F.; FERREIRA, J. P. Biodiesel e Alternativas para utilização da glicerina resultante do processo de produção de biodiesel. v. 2, n. 1, p. 141-146, 2012. Disponível em: < http://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/BolsistaDeValor/article/viewFile/2406/1295>. Acesso em: 10 jan. 2013.

ÁVILA FILHO, S.; MACHADO, A, S.; SANTOS, E. P. Purificação da Glicerina Bruta Vegetal. I Congresso da Rede Brasileira de Tecnologia do Biodiesel. Disponível em: http://www.biodiesel.gov.br/docs/congresso2006/Co-produtos/Purificação4.pdf. Acesso em: 06 fev. de 2013.

LARSEN, A. C. Co-digestão anaeróbia de glicerina bruta e efluente de fecularia.
2009. 55 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola). Universidade Estadual
do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Cascavel, 2009. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/ texto/cp114920.pdf>. Acesso em: 14 jan. 2013.


MARÇON, R. O. Pré-tratamento da glicerina bruta gerada na produção de biodiesel por transesterificação de óleos vegetais e gordura animal. 2010. 122 f.
Dissertação (Mestrado em Agroenergia). Universidade Federal do Tocantins – UFT, Palmas, 2010. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/
texto/cp153130.pdf>. Acesso em: 14 fev. 2013.


OPPE, E. E. G. Desidratação por Destilação Azeotrópica da Glicerina Obtida como Subproduto da Produção do Biodiesel. Dissertação de Mestrado, Departamento de Engenharia Química, Universidade de São Paulo, 2008.

PINTO, A. C.; GUARIEIRO, L. N.; REZENDE, M. J. C. Biodiesel: An overview. J. Braz. Chem. Soc; v. 16, n. 6B, p. 1313-1330, 2005.


SILVA, J. C., Síntese, caracterização e avaliação de compostos de nióbio como catalisador ácido em reação modelo. Disponível em:
<http://urlib.net/8JMKD3MGP7W/37J5PMB>. Acesso: 18/06/2012. São José dos campos - SP, 2010.

VASCONCELOS. Y. Glicerina, resíduo bem-vindo do biodiesel e as pesquisas em destaque. Revista Fapesp - Edição 196 - Junho de 2012. Disponível em: http://www.biodieselbr.com/noticias/usinas/glicerina/glicerina-residuo-biodiesel-pesquisas-040712.htm. Acessado em: 10 de Setembro de 2012.