Área:
Ensino de Química

TÍTULO:
INVESTIGANDO A CONCEPÇÃO, DE PROFESSORES E ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO ENSINO MÉDIO, ACERCA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO AMBIENTE ESCOLAR.

AUTORES:
Mendes, M.P.1; Silva, N.S.G.2; Souza, A.R.S.3; Silva, L.O.4;

1UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ (UEPA) Email:milene324@hotmail.com; 2UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ (UEPA) Email:naianeg7@gmail.com; 3UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ (UEPA) Email:allanrodrigo789@gmail.com; 4UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ (UEPA) Email:luelyoliveira@hotmail.com;

RESUMO:
Objetivou-se investigar as concepções de alunos e professores de uma escola pública, acerca das novas tecnologias no ambiente escolar, no ensino de ciências. Para tanto se utilizou como instrumento de coleta de dados, questionários contendo perguntas abertas e fechadas, sendo um voltado para professores e outro voltado para alunos, possibilitando assim uma análise quantitativa e qualitativa dos resultados. A partir da análise dos questionários, percebeu-se que os professores possuem conhecimento básico sobre novas tecnologias educacionais e a maioria se sente preparado para utilizá-las. Quanto aos alunos, a maioria acredita ser importante a utilização das tecnologias no ambiente escolar e as utilizam para realizar suas atividades, além da escola os oferecer os recursos tecnológicos.

PALAVRAS CHAVES:
Ensino de ciências; Novas tecnologias; Escola pública

INTRODUÇÃO:
O ensino de ciências vem passando por mudanças em sua estrutura, em função de lacunas identificadas na forma propedêutica tradicionalmente adotada de se ensinar ciências (AULLER, 2001, apud, FREITAS; KIRNER, 2012). Devido essa forma, torna-se comum encontrar alunos desmotivados para este ensino. Todavia, em uma sociedade altamente tecnológica, surgem recursos capazes de auxiliar os professores de ciências ao ministrarem suas aulas. Recursos estes, que possibilitam ao aluno um ensino- aprendizagem mais eficaz e atrativo. É preciso, portanto, que professor esteja capacitado para utilizá-los, assim como, as escolas os oferecerem tais recursos. As tecnologias estão permeando as ações pedagógicas que colocam os professores diante do desafio de rever os paradigmas sobre a educação (JUCÁ, 2006). Para Jucá (2006) ainda, as tecnologias não veem substituir ao professor, mas sim estabelecer que o mesmo adicione ao seu perfil novas exigências. Neste contexto, buscou-se investigar se os professores tinham a concepção do termo “tecnologia educacionais”, quais as tecnologias mais utilizadas no ensino de ciências, a preparação técnica para utilizá-las, a estrutura oferecida pela rede pública para que os professores utilizem as tecnologias no ambiente escolar, bem como, a importância para os alunos das tecnologias na escola, a utilização dessas pelos professores de ciências e se os alunos utilizam recursos tecnológicos para desenvolver suas atividades.

MATERIAL E MÉTODOS:
O lócus da pesquisa foi uma escola pública, localizada em Belém-PA, onde participaram da pesquisa 5 professores, sendo 4 de Química e 1 de Matemática, participaram ainda 62 alunos do ensino médio. Para coleta de dados, aplicaram-se dois questionários, um voltado para professores e outro voltado para alunos. As respostas obtidas foram referentes à concepção de novas tecnologias educacionais, o desenvolvimento educacional a partir do uso de tecnologias, a instrução técnica para a utilização dessas no ensino de ciências, uso de tecnologia por professores e quais, tendências das novas tecnologias no ambiente educacional, assim como, a estrutura oferecida pela escola pública para a abordagem de conteúdos com essas ferramentas, bem como, a importância para alunos e a utilização de equipamentos tecnológicos no ambiente escolar, a utilização das tecnologias pelos professores de ciências, e se esses recursos são ofertados pela escola. Os professores foram identificados como “P”, e os alunos do 1º ano e 3º ano, do ensino médio, foram identificados como, respectivamente, “A” e “B”. Para o desenvolvimento da pesquisa, no primeiro momento realizou-se um levantamento bibliográfico. No segundo momento realizou- se a elaboração dos questionários. No terceiro momento escolheu-se a escola que colaboraria para o levantamento dos dados, onde no quarto momento encaminhou-se a solicitação de autorização da pesquisa. No quinto momento aplicaram-se os questionários, possibilitando analisar e discutir os dados coletados.

RESULTADOS E DISCUSSÃO:
A partir da análise dos dados dos professores contatou-se que, em média 80% possuem conhecimentos básicos sobre novas tecnologias educacionais e afirmam que o uso desses recursos promove o desenvolvimento educacional. Segundo Mercado (1998) as novas tecnologias permitem o desenvolvimento de ambientes de aprendizagem, além de, serem importantes no desenvolvimento de alunos e estimular a interação social. Quanto à preparação para utilizar as tecnologias educacionais no ambiente escolar para o ensino de ciências, 60% dizem estar preparados e 40% responderam de forma imparcial, afirmando que a instrução para o uso das tecnologias depende de mais informações. Nesse caso, eles se referem ao manuseio dos aparatos tecnológicos. P1: “Algumas tecnologias sim, outras precisam de mais informações para o seu manuseio”. Para Alonso (1998, apud, REZENDE, 2002.) o aprendizado não está nos próprios meios, mas na maneira como se integram na atividade didática e como eles se inserem no desenvolvimento da ação. Solicitou-se que mencionassem as tecnologias mais utilizadas para ministrar suas aulas, destacando-se: softwares educacionais, computadores, televisão, laboratório (informática e multidisciplinar), sala de vídeo, projetores e caixa de som. A partir da análise dos dados dos alunos contatou-se que, apenas A14 “não” acha importante o uso de tecnologias na escola, utilizando o seguinte argumento: “Não. Porque tira a atenção do aluno e professor.” Os demais afirmaram positivamente associando a importância de as utilizarem a um melhor aprendizado e aulas mais interessantes. Quanto à escola oferecer recursos para realizarem suas atividades, 58,1% dos alunos afirmaram “sim”, 40,3% “não” e 1,6% não respondeu. 77,4% utilizam as tecnologias para suas atividades escolares e 22,6% não utilizam.

CONCLUSÕES:
Tendo em vista a análise dos resultados, pode-se comprovar que professores e alunos acreditam que as tecnologias vêem contribuir positivamente no ambiente escolar. Para tanto, é preciso que o sistema educacional ainda invista em mais condições físicas, recursos e formação dos professores. Formação está, que os possibilitem ter a sensibilidade e habilidade de direcionar tais recursos a proporcionar um aprendizado mais eficaz.

AGRADECIMENTOS:


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA:
JUCÁ, S.C.S. A relevância dos softwares educacionais na educação profissional. Ciência e cognição. v.8., p.23, 2006.

FREITAS, L.C; KIRNER, T,G. Rumo ao Sucesso na Utilização de Softwares Educacionais para o Ensino e Aprendizagem de Ciências. p.1, 2012.

REZENDE, F. As novas tecnologias na prática pedagógica sob a perspectiva construtivista. ENSAIO – Pesquisa em Educação em Ciências. Vol. 02, nº 1, 2002.

MERCADO, L. P. L.; Formação docente e novas tecnologias. IV Congresso RIBIE. Brasília, 1998. Disponível em <lsm.dei.uc.pt/ribie/docfiles/txt200342414941210m.pdf>. Acessado em 08 de abril 2013.